Home

Links

Links recomendados:
MPPU Internacional
Movimento Politico Per L'unitá
MPPU Alemanha
Forum Politik und Geschwisterlichkeit
MPPU Argentina
Movimiento Políticos por la Unidad
EdC
Economia de Comunhão
Instituto Sophia
Instituto Universitário Sophia
Focolares
Movimento dos Focolares Brasil
Chiara Lubich
Centro Chiara Lubich
Igino Giordani
Centro Igino Giordani
Cidade Nova
Editora Cidade Nova
RUEF
Rede Universitária para o estudo da Fraternidade
Fraternidade
Olhar Fraternidade

Editora Cidade Nova

Usuários online

Nós temos 39 visitantes online

RSS

MPPU Brasil
MPPU Brasil
Pacto de Responsabilidade Cidadã em Porto Alegre (RS) PDF Imprimir E-mail
Qua, 29 de Junho de 2016 12:37

No início de junho, uma noite fria em Porto Alegre (RS) foi aquecida com um caloroso diálogo sobre o Pacto de Responsabilidade Cidadã, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, na sala Fórum Democrático. Assim como ocorreu nas cidades de Encantado em março e Gravataí em maio, o diálogo de Porto Alegre colocou em pauta a urgência de uma virada cultural na prática política brasileira, que passa necessariamente pela fraternidade.

“Este diálogo, na verdade, aconteceu durante todo o processo de preparação. Já há algum tempo mantemos um relacionamento recíproco com o pessoal da ‘Minha Porto Alegre’ em várias ações. Para este diálogo, essas pessoas nos ajudaram a reformular o design do Pacto, para que pudesse ser mais atrativo. Assim que ficou pronto, disponibilizamos o mesmo na ferramenta ‘reboo’ mantida pela Minha Porto Alegre, para que as pessoas possam, através da internet, assinar e se comprometer com o Pacto”, contam os organizadores. A “nova cara” do Pacto pode ser em acessada pelo site Minha Porto Alegre.

O grupo do MPPU do Rio Grande do Sul conta: “Como ocorreu nas outras cidades, este diálogo é uma oportunidade para apresentarmos as ideias chaves do Movimento Político pela Unidade. Ideias que nos permitem, através das nossas diferenças políticas e tendo nas mãos o difícil contexto político atual, buscar e enxergar novos horizontes para a política brasileira. Ou como diria Igino Giordani, ‘a democracia tem necessidade de uma alma (Giordani, 1952)’. Juntos, através deste diálogo, percebemos que a fraternidade é esta ‘alma que se expressa no método do diálogo sincero, contínuo e construtivo, no qual a razão emprega todas as próprias forças na busca do bem comum. É assim que se pode levar a política à plenitude da própria função e fazer dela a construtora de uma unidade verdadeira’ (Baggio)”.

A experiência de Porto Alegre, ainda se em um espaço diverso e com diferentes pessoas, repete e aprofunda o aprendizado vivenciado em Encantado e Gravataí. “Um aprendizado comunitário, enraizado em cada pessoa, confirmando que é possível construir a fraternidade na política justamente a partir da diversidade de ideias! A adesão dos participantes ao pacto nos permite alargar nosso sorriso de esperança, nos permite acreditar sempre mais na necessária e urgente virada política cultural que as pessoas, em cada canto deste nosso país, com muita esperança desejam. Este é o nosso empenho cotidiano, pessoal e coletivo, dar a nossa vida, o nosso trabalho, as nossas capacidades, para resgatar a alma política em todos nós”, afirma o grupo gaúcho.

A impressão de algumas pessoas que participaram do diálogo em Porto Alegre ilustram esse sorriso de esperança.

Disse um ex-vereador: “Estes são princípios básicos para qualquer pessoa que queira ser um político ou cidadão de verdade. As pessoas estão cansadas de ver sempre as mesmas promessas. A papel do vereador não é o de dar isso ou aquilo às pessoas (cimento, telha, tijolo, roupa, próteses etc.), mas justamente o de dialogar com as pessoas, ouvir suas demandas e buscar soluções. O que eu posso dar é isso, é o meu trabalho na busca de soluções. A fraternidade é o que me cativa e motiva sempre mais.”

“Devemos ser mais transparentes, devia ser um dever para ser cumprido por todos. A fraternidade deveria ser ensinada desde criança“, declarou uma pessoa que participou do diálogo.

“Quando recebi o convite tentei ver se concordava com o que era proposto. Para mim, isso não é novidade, são coisas que já pratico, é uma prática de toda a minha vida. Já faço isso de não pedir nada do político, justamente para ser livre para poder cobrar depois. Depois que comecei a me envolver com o movimento dos ciclistas, comecei a ficar mais próximo das pessoas. A partir do momento em que comecei a andar de bicicleta, saí da lógica individualista. Não mais do ponto A ao ponto B, de carro. Mas andando de bicicleta, para ir de A a B, passo por muitos outros pontos e lugares. Assim comecei a interagir mais com as pessoas, com a cidade, a viver mais a fraternidade. Estamos em um momento frágil da política brasileira e diante de um momento de crise tenho duas possibilidades: fugir, sair do país ou enfrentar. Ficar e enfrentar o que está errado. Tenho sempre comigo o exemplo do meu avô que foi bombeiro, ele sempre dizia que bombeiro nunca corre do fogo, mas vai em direção ao fogo. Fugir é aceitar a derrota. Devemos ser como os bombeiros, lutar, batalhar, contra a violência, mudar a comunicação, dialogar com o próximo, com os diferentes. É possível, sim, manter o diálogo e a cordialidade. É, sim, o momento de dar as mãos para construirmos juntos as mudanças necessárias”, compartilhou um outro participante.

“Estas são ideias que sempre procuro viver. Acredito na política porque a amo. Tudo o que foi colocado aqui me inspira e me dá forças para lutar. Precisamos ajudar para que ações como estas se ampliem e perseverem. Estamos num país dividido, em que a dicotomia é a regra, mas ela é falsa. Os caminhos e as possibilidades são múltiplos, precisamos fazer da fraternidade e tantos outros conceitos importantes para uma cultura colaborativa. Espero que as eleições sejam o início da construção de caminhos. Essencialmente estou muito feliz por estar aqui, por ver essas iniciativas”, confessou uma participante.

Um participante citou Gandhi ao falar da fraternidade: “Não posso ferir o meu irmão sem ferir a mim. Por isso, a fraternidade é importante, pois precisamos dialogar. Para a boa política devemos partir da fraternidade para fortalecer o diálogo e o estar próximo das pessoas”.

“Quando lemos o pacto vimos que realmente é o mínimo que se espera de todos nós. Que bom que isso está escrito, pois precisamos explicitar ecomunicar ao máximo. Amamos Porto Alegre e por isso queremos que todos os cidadãos se envolvam por sua cidade, amem a sua cidade, amplifiquem esta cultura”, declarou um cidadão.

“A fraternidade deve, sim, ser a alma da democracia e é isso que o Brasil precisa: aprofundar a democracia, aprofundar esta alma”.

“Parabenizo o trabalho do Movimento Político pela Unidade, que cumpre um papel importante dentro desta crise que vivemos e nos sentimos respaldados. É bom conviver com pessoas com esta alma, para além das diferenças e dos partidos”.

“Para conhecer uma pessoa, dêem o poder a ela. Nós, eleitores, temos o poder ou capacidade de vivermos juntos este pacto”.

O próximo encontro será em 30 de junho, na cidade de Maquiné.

 

Destaque

  • 1
  • 2
  • 3

Chiara Lubich: a unidade e a política

Chiara Lubich: a unidade e a política

Em várias cidades do mundo, de 12 a 15 de março de 2015, acontecerão debates sobre o pensamento político da...

leia mais

Fórum “Chiara Lubich: por uma política de comunhão”

Fórum “Chiara Lubich: por uma política de comunhão”

Fórum “Chiara Lubich: por uma política de comunhão”Política para a unidade fazendo a diferença no mundoSerá realizado em Curitiba (PR)...

leia mais

Fraternidade na política realizada na prática

Fraternidade na política realizada na prática

Em um rico intercâmbio de experiências, mais de 100 aderentes ao Movimento Político pela Unidade (MPPU) de todo o Brasil...

leia mais

MPPU 10 anos no Brasil

Login